Foto cedida pela ONG Sea-Watch mostra um membro da equipe de resgate carregando um bebê morto durante operação de resgate em frente à costa líbia
(afp_tickers)
Envolvida em operações de resgate de emigrantes no Mediterrâneo, a ONG alemã Sea-Watch decidiu, nesta segunda-feira, divulgar a foto de uma criança afogada para alertar a União Europeia (UE) - explicou a organização em uma nota.
"Se vocês não quiserem ver essas imagens, parem de produzi-las!", afirmou a ONG, no texto de divulgação dessa foto, que mostra uma pequena criança negra nos braços de um dos membros da Sea-Watch, a bordo de uma embarcação.
"Essas imagens trágicas devem ser vistas pela sociedade europeia, porque as tragédias são consequência da Política Externa europeia", diz a organização.
O texto não traz qualquer informação sobre o menor.
A foto divulgada nesta segunda foi tirada durante uma operação ao longo da costa líbia, em 27 de maio, após o naufrágio de um barco com cerca de 350 pessoas a bordo.
"Muitos deles já estavam mortos depois que a equipe Sea-Watch chegou", lamenta a organização, acrescentando que "a gravidade da situação exige a publicação" dessas fotos.
"No rastro desses acontecimentos terríveis, fica claro que os apelos dos políticos europeus para pôr fim a essas mortes no mar são apenas palavras", condena o fundador da ONG, Harald Höppner, citado na nota.
No comunicado, a organização também pede à "sociedade civil" que pressione as autoridades europeias a agir.
No domingo (29), na Itália, o porta-voz do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (Acnur), Federico Fossi, disse temer que quase 700 emigrantes, entre eles mais de 40 crianças, tenham morrido na semana passada em três naufrágios no costa líbia.