Temer na cadeia Aécio na cadeia

Temer na cadeia Aécio na cadeia
Copiem e colem em seus perfis

sábado, 11 de junho de 2016

GAVIÃO ARQUEIRO

http://aroldopacoti.blogspot.com.br/2016/06/gaviao-arqueiro.html
GAVIÃO ARQUEIRO

Em certos dias-aporias
Eu não consigo cantar
Falta-me o grito
Sou fogo sem ar

Apenas a dor
Insiste em bater
Tão shakespeariana
Do ser ou não ser

Nesse peito tambor
Com tamanho furor
Feitor a fruir do fenecer
Vulcano faísca o clarão

Já não há mais flor
Em nevasca e vulcão
Nem em menor poção
Aos estridentes dentes do cão

Em completo ardor
Sob a pluma do vão
Sem cobertor
Morreu mais um ator

Não era filho de Adão
Porque não tinha andor
Sob as asas do condor
O frio era o seu vagão

O céu é o chão
A chama do Ceifador
Eleva leve vetor
Num falso filme de ação

A cortina tece terror
As moiras moram no sótão são
Catilinas catam calor
Dalila engana Sansão

E com os olhos de horror
Vê o templo ruir
De outro tempo ruim
Para a verdade fluir

É preciso furar
Os olhos da vaidade
Prepotência preponderante
Inveja é vulnerabilidade

Questão de habilidade
Não é bem esperteza
Criar fortaleza
É sangrar à própria fraqueza

Quem teme cair não levanta
A caveira na garganta
Carece de mel
Enquanto o fel acalanta

Hipnos encanta
Vencê-lo em seu jogo é provação
Nietzsche dança zombeteiro e sem mantra
Um arqueiro certeiro não tem coração

Ao bom juiz é preciso
Saber sentir o sabor do juízo
Ter do bebê a pureza
E do leão a destreza

De criar o pulo do gato
No ato cruel
Ser bode em vez de cordeiro
Espreitar no mato

Feito arteiro menestrel
Seguir o vento ligeiro
No intento fiel
De ser mensageiro pioneiro

O peão é passageiro
E o rei também
Até o bandido mais matreiro
Um dia vira refém

Aroldo Historiador
11/06/2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário