quinta-feira, 26 de abril de 2018

ROBERTO DA MATTA 2: CARNAVAIS, MALANDROS E HERÓIS

ROBERTO DA MATTA 2: CARNAVAIS, MALANDROS E HERÓIS

Playlist: História, Brasilidade e Filosofia.

"Sociólogos, antropólogos, historiadores, economistas -- é grande a galeria dos intelectuais que vêm tentando formular uma interpretação para o Brasil. 

Gilberto Freyre, Luiz da Câmara Cascudo, Sérgio Buarque de Holanda, só para citar alguns, empenharam-se decisivamente neste campo. 

E cada um foi colocando um pequeno tijolo nesta catedral que ainda está longe, muito longe de ser concluída. Entre os contemporâneos, o antropólogo Roberto da Matta é reconhecido como um dos intelectuais que mais contribuíram para a interpretação do Brasil. 

No final dos anos 70, publicou o livro "Carnavais, Malandros e Heróis", com foco na festa carnavalesca, na malandragem, no clientelismo e no autoritarismo do velho "você sabe com quem está falando?"; aspectos até então negligenciados nos estudos antropológicos." 

Entrevista reproduzida em conformidade com os termos de uso autorizados pela TV Câmara -- Programa Personalidade.

No vídeo do bloco 3 de 3 -- O racismo no Brasil e as cotas para os negros nas universidades brasileiras - Timer 07:25.

ROBERTO DA MATTA (Niterói, 29 de julho de 1936) é um importante antropólogo brasileiro, além de também trabalhar como conferencista, professor universitário, consultor, colunista de jornal e produtor de TV.

FORMAÇÃO E CARREIRA

Graduado e licenciado em História pela Universidade Federal Fluminense (1959 e 1962). Da Matta possui curso de especialização em Antropologia Social do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (1960); mestrado (Master in Arts) e doutorado (PhD) em 1969 e 1971 respectivamente pela Universidade Harvard. 

(...) É Professor Emérito da Universidade de Notre Dame, USA, onde ocupou a Cátedra Rev. Edmund Joyce, c.s.c., de Antropologia de 1987 a 2004. Atualmente é professor associado da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e da Universidade Federal Fluminense. 

Em 2001 recebeu a Ordem do Mérito do Rio Branco no grau de Comendador.

PESQUISAS, TRABALHOS E OBRAS

Realizou pesquisas Etnológicas entre os índios Gaviões e Apinayé. Foi pioneiro nos estudos de rituais e festivais em sociedades industriais, tendo investigado o Brasil como sociedade e sistema cultural por meio do carnaval, do futebol, da música, da comida, da cidadania, da mulher, da morte, do jogo do bicho e das categorias de tempo e espaço.

Considerado um dos grandes nomes das Ciências Sociais brasileiras, da Matta é autor de diversas obras de referência na Antropologia, Sociologia e Ciência Política, como "Carnavais, Malandros e Heróis", "A casa e a rua ou O que faz o Brasil, Brasil"(...)

INFLUÊNCIAS

Uma de suas grandes influências é o antropólogo estadunidense David Maybury-Lewis (grande especialista na etnia Xavante), a quem auxiliou durante seus estudos na Universidade de Harvard, entre as décadas de 60 e 70. Desde 1971, reside nos Estados Unidos.

SÍNTESE DE SEU PENSAMENTO

Estudioso do Brasil, de seus dilemas e de suas contradições, mas também de seu potencial e de suas soluções, da Matta não se afasta de seu país mesmo quando desenvolve outros temas. A comparação com o Brasil é inevitável em sua obra.

Da Matta revela o Brasil, os brasileiros e sua cultura através de suas festas populares, manifestações religiosas, literatura e arte, desfiles carnavalescos e paradas militares, leis e regras (quando respeitadas e quando desobedecidas), costumes e esportes. 

Daí surge um Brasil complexo, que não se submete a uma fórmula ou esquema único. Para da Matta, o Brasil é tão diversificado como diversificados são os rituais, conjunto de práticas consagradas pelo uso ou pelas normas, a que os brasileiros se entregam.

Todos esses temas são abordados em sua relação com duas espécies de sujeito, o indivíduo e a pessoa, e situados em dois tipos de espaço social, a casa e a rua.

A distinção entre indivíduo e pessoa é bem demarcada em seu original trabalho sobre a conhecida e ameaçadora pergunta: Você sabe com quem está falando?

Os seres humanos que se sentem autorizados a se dirigir dessa forma aos outros, colocam-se na posição de pessoas: são titulares de direito, são alguém no contexto social. 

Os seres humanos a quem tal pergunta é dirigida são, para as pessoas, meros indivíduos, mais um na multidão, um número.

A rua é o espaço público. Como é de todos, não é de ninguém, logo, tem-se ali um espaço hostil onde não valem as leis e os princípios éticos, a não ser sob a vigilância da autoridade. A convivência na rua depende de uma negociação constante, entre iguais e desiguais. 

A casa, considerada num sentido amplo, é o espaço privado por excelência, onde estão "os nossos", que devem ser protegidos e favorecidos, e aqui da Matta retoma e atualiza o conceito de "homem cordial" de Sérgio Buarque de Hollanda."

Nenhum comentário:

Postar um comentário