segunda-feira, 25 de março de 2019

DEPUTADO DO PSL CHAMA ÍNDIOS DE "LIXO HUMANO"

DEPUTADO DO PSL CHAMA ÍNDIOS DE "LIXO HUMANO"

Depois de chamar a Aldeia Maracanã de "lixo urbano", em janeiro deste ano, o deputado estadual Rodrigo Amorim (PSL) - o que quebrou a placa de Marielle e emoldurou para "enfeitar" seu gabinete - protagonizou nova polêmica envolvendo os indígenas remanescentes da aldeia.

Na discussão, Amorim fala sobre "doutrinação ideológica", ao passo que um morador do local responde. "Aqui não tem direita nem esquerda. Aqui é indígena", diz. A Aldeia Maracanã fica ao lado do Maracanã aqui no Rio de Janeiro, foi erguida por indígenas de diferentes etnias, em 2006, no terreno onde era abrigado o antigo Museu do Índio. 

Na época da Copa em 2014, o governo do Estado queria acabar com ela e houve muita resistência no local. Cabral está preso e até hoje os indígenas permanecem no local e aguardam o resultado de um processo judicial para que consigam a posse definitiva do terreno. 

A Aldeia Maracanã é atualmente o único espaço de referência indígena que restou na região. Conforme narram os índios, já foi um grande aldeamento onde viveram os povos Maracanã e Tupinambá. Eles não foram até o Maracanã, foi a cidade que chegou até eles.

O deputado eleito declarou em janeiro que, "quem gosta de índio, que vá para a Bolívia, que além de ser comunista ainda é presidida por um índio". Autoridades bolivianas, na ocasião, reagiram com indignação às declarações, inclusive o presidente Evo Morales.

Muito triste esses tempos. Um servidor público tem a obrigação de promover a dignidade humana, não atacar e promover o ódio como sempre fez Rodrigo Amorim.

Vale lembrar que o ataque aos indígenas também veio de forma institucional como um dos primeiros atos de Bolsonaro na Presidência. Bolsonaro assinou uma medida provisória em que autoriza que a identificação, delimitação e demarcação de terras indígenas no país seja feita pelo Ministério da Agricultura, não mais pela Fundação Nacional do Índio (Funai). 

Tempos de desrespeito total com as minorias, com a educação e nossa História.

Nenhum comentário:

Postar um comentário